NOVIDADES

13/4/2020
Curso "Biologia de Cetáceos" - Onda Solidária Hupe-Uerj

Curso "Biologia de Cetáceos" - De 20 a 24 de abril de 2020 - 16h às 18h

Este curso é uma iniciativa do Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores da UERJ (Maqua-UERJ). Você terá a possibilidade de interagir com a equipe do Maqua-UERJ, um dos maiores laboratórios da América Latina para o estudo de mamíferos aquáticos. Todos os ministrantes são pesquisadores ativos com grande experiência.

Mais do que o curso em si, a ideia é ajudar o Hospital Universitário Pedro Ernesto da UERJ (HUPE-UERJ) a arrecadar fundos para a compra de materiais de proteção individual e para a criação de novos leitos do CTI. O HUPE-Uerj é um centro de referência em saúde do Estado do Rio de Janeiro e que, além de atender a população, forma pessoal de alto nível técnico.

A sua inscrição é mais que o pagamento por um curso de alto nível, é uma atitude colaborativa e solidária. Sua doação será muito importante.

Você pode se tornar um agente direto, multiplicando a chamada para esse curso em suas redes sociais. Muito obrigado.


1- Enviar e-mail para o maqua.ondasolidaria@gmail.com solicitando vaga no curso. Após o recebimento da confirmação de reserva de vaga, você deverá prosseguir.

2- Preencher o formulário com os dados solicitados

3- Depositar a doação de R$ 50,00, ou valor acima, diretamente na conta da UERJ criada para atender ao HUPE.

Banco Bradesco
Beneficiário: ERJ-UERJ/DAF – CONTAMOVIMENTO
Agência: 6897
Conta corrente: 11-6
CNPJ: 33.540.014/0001-57

4- Enviar o comprovante de pagamento para o e-mail maqua.ondasolidaria@gmail.com

5 - Em seguida, você receberá a confirmação de inscrição efetivada e as instruções como proceder para acessar as salas de aulas virtuais.

6- Ao final do curso, serão emitidos declarações de participação e estas serão enviados por e-mail.

Acompanhe:

Instagram: @maquauerj

Facebook: @maqua.uerj

6/4/2020
Campanha “Uma onda Solidária”

Vamos ajudar o Hospital Pedro Ernesto, da Uerj, a criar novos leitos e comprar materiais necessários para o combate à Covid-19?

 

A campanha “Uma onda Solidária”, iniciativa da Faculdade de Oceanografia e do Laboratório Maqua-Uerj, conta com a sua ajuda! Você pode  depositar qualquer quantia na conta:

 

Banco Bradesco – Ag.6897 – conta 11-6

ERJ-UERJ/DAF – CONTAMOVIMENTO

CNPJ 33.540.014/0001-57

  

E vamos promover cursos e palestras online com adesões revertidas diretamente para o hospital.

Acompanhe tudo pelas nossas redes sociais ou saiba mais na página maqua.com.br/ondasolidaria

 

Email da ONDA:MAQUA.ONDASOLIDARIA@GMAIL.COM

Intagram: @maquauerj Facebook: @maqua.uerj

1/10/2016
Artigo mostra o impacto dos ruídos sonoros sobre os botos da Baía de Guanabara

Publicado em um periódico científico internacional dos mais conceituados em sua área, "Marine Pollution Bulletin", nosso artigo mostra que os ruídos subaquáticos causam alterações nas emissões sonoras dos cetáceos. Mais especificamente, geram impacto sobre botos-cinza. Fica comprovado que fundeios de navios, trânsito de embarcações, terminais, entre outros, podem realmente alterar a vida desses animais e prejudicá-los. A pesquisa será muito útil para a conservação da espécie.

1/9/2016
Maqua completa 1000 atendimentos a cetáceos encalhados

Desde 1992, os pesquisadores do Maqua contam com a ajuda de bombeiros, companhias de limpeza urbana, prefeituras e da comunidade, em geral, para atender e recolher cetáceos encalhados. Cartazes espalhados pela costa informam os números de telefone da equipe, pedindo a colaboração de todos. O laboratório ainda faz parte da Rede de Encalhe de Mamíferos Aquáticos (do Sudeste), criada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) – em caso de encalhes ocorridos na cidade do Rio, além da região entre Saquarema e Paraty, a UERJ é notificada.

Com as carcaças recolhidas, os pesquisadores do Maqua dão prosseguimento a vários estudos que ajudam a entender melhor a vida desses animais, auxiliando na conservação das espécies.

Genética, determinação de idade e contaminação ambiental são alguns dos temas estudados pelos pesquisadores.

Anote os números: 21 99784-0777 / 21 2334-0065 / 21 2334-0795 / 21 99637-8347 / 21 99742-4993

1/1/2016
Maqua ganha prêmio “Faz Diferença” do jornal O Globo, pelo trabalho realizado com os botos da Baía de Guanabara

“Coordenadores do Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores (Maqua), da Faculdade de Oceanografia da Uerj, Alexandre Azevedo e José Lailson Brito Junior chamam pelo nome, ou pelo menos pelo número, os 36 golfinhos que sobrevivem nas águas da Baía de Guanabara. O reconhecimento é possível graças à técnica de fotoidentificação que a dupla implementou no laboratório, em 1995. Os botos-cinza nascem com a nadadeira dorsal lisa. Mas, devido à interação com o ambiente e, principalmente, ao contato entre eles (os animais se mordem tanto nas brigas quanto nos cortejos), ganham marcas que viram uma espécie de impressão digital. Nas últimas décadas, porém, os oceanógrafos testemunharam uma baixa de 90% na população de Sotalia guianensis na região — em 1985, eram cerca de 400.

Se esta situação não for revertida, em cerca de 20 anos teremos uma população de raríssimos indivíduos ou não restarão mais botos na Baía de Guanabara

— afirma Alexandre.

A espécie entrou para a lista vermelha do Ministério do Meio Ambiente por causa da situação crítica relatada pelo Maqua. A contaminação química e biológica, a pesca e o barulho causado pelos navios fundeados nos arredores da Ponte Rio-Niterói são as principais causas do desaparecimento

dos cetáceos.

Após reportagem na Revista O GLOBO sobre a luta pela vida dos golfinhos, em maio de 2015,

a Secretaria estadual do Ambiente liberou, por meio do Fundo Estadual de Conservação Ambiental

e Desenvolvimento Urbano (Fecam), R$ 9,2 milhões para o financiamento do programa de monitoramento dos botos. O trabalho do Maqua realizado na Baía de Guanabara será estendido

às baías de Sepetiba e da Ilha Grande. Em cada uma, há cerca de 800 botos.

Ano passado, recolhemos 80 animais mortos em Sepetiba. É mais do que o dobro da população da Baía de Guanabara. É crítico. Temos que mudar esta perspectiva.

— ressalta José Lailson.

O Maqua foi fundado por um grupo de alunos de oceanografia, entre eles José Lailson, em 1992. Alexandre integrou o time três anos depois. Projetos de graduação, mestrado e doutorado foram realizados com base em estudos dos botos da Baía de Guanabara, assim como a maioria dos trabalhos realizados pelos alunos da dupla. Além do monitoramento dos golfinhos, o Maqua promove atividades de educação ambiental.

— Conseguimos mostrar que os botos-cinza são residentes fixos da Baía de Guanabara e que a população está em declínio por conta da mortalidade, não porque se mudou para Sepetiba ou para a Ilha Grande — conta Alexandre”.

Matéria do jornal O Globo

2/7/2015
Drone filma grupo de centenas de botos em Paraty, durante trabalho de campo do Maqua

Durante uma saída de campo, em Paraty, a bordo da lancha Odisseia, pesquisadores do Maqua conseguiram belas imagens aéreas de um grupo enorme de botos-cinza, graças a um drone. O equipamento ajuda a encontrar os grupos e entender o comportamentos desses animais, verificando a quantidade, a composição e a presença de filhotes.

O drone é uma ferramenta que foi incorporada ao trabalho do laboratório há cerca de quatro anos.

Assista ao vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=FVktb-WTUT4

10/5/2015
Capa da Revista O Globo retrata a situação dos botos da Baía de Guanabara, destacando o trabalho do Maqua

Às vésperas das Olimpíadas do Rio de Janeiro, a reportagem “Último respiro”, assinada por Joana Dale para a Revista O Globo, mostra como sobrevivem os 38 golfinhos (dado de maio/2015) na Baía de Guanabara, que podem ser extintos até 2035. Tudo registrado com as belas fotos de Custodio Coimbra, que acompanhou os pesquisadores do Maqua nos trabalhos de campo durante uma semana. 

Em um trecho da matéria, a bordo da lancha Falsa Orca, o oceanógrafo José Lailson Brito Junior afima:

Os golfinhos da Baía de Guanabara não são passantes, eles escolheram esse lugar como residência fixa. Aquela é a Titia. Está ao lado do filhote Guapi. Ela cuida dos filhotes de várias fêmeas.

O filhote morreu dois meses após o nascimento. E não foi um caso isolado.

Mais da metade dos filhotes não chega à idade adulta. Como todo mamífero, eles nascem com imunidade baixa e ainda são alimentados com leite contaminado da mãe  — completa Alexandre Azevedo, também oceanógrafo do Maqua.

Compartilhe